Uma homenagem ao nú, ao amor, à sensualidade, ao erotismo, sonhe, viaje, faça da sua estadia aqui um prazer!
Sexta-feira, 4 de Maio de 2007

Uma loirinha de super sensual

Me chamo Nina, sou uma gatona de 27 anos 1,73 de altura 57Kg, loira, pernas fortes e torneadas, corpo do tipo escultural mas, sem exageros, boca grande e carnuda, olhos azuis, cabelos longos, casada com uma homem maravilhoso e depois de duas aventuras meu marido e outro homem muito fogo dentro de mim. Era aniversário da Nikki, e por conta disso, seus colegas de trabalho resolveram fazer uma festa na casa de praia dela. A noite estava estrelada e com lua cheia, própria para amores e orgias, eu fui sozinha e fizemos um churrasco ao luar. A festa estava animada e todos se divertiam muito, uns dançavam outros faziam amor na água. Desde a hora que cheguei à festa me encantei com uma loirinha de super sensual que estava com um vestido branco coladinho no seu corpo malhado e perfeito. Nikki nos apresentou, era uma vizinha da praia, morava a poucos metros dali e, seu nome? Jill.Tinha 25 anos, 1.70 de altura, 55kg, olhos claros, enfermeira, massagista e dona de uma clínica de estética, também morava sozinha.Ficamos juntas quase todo o tempo, flertando uma com a outra num jogo de pura sedução. Já era quase madrugada e ela pediu-me para acompanhá-la até a casa. Eu reclamei de dores nos ombros e ela se ofereceu para fazer uma massagem. A casa era linda, fomos para um quarto decorado à moda tropical, ilhas havaianas, ela disse que adorava coisas do tipo. Colocou uma música suave, quase erótica Era uma mulher belíssima e inteligente e já sabíamos o que queríamos, mesmo sem dizer uma palavra. Ela tirou minha blusa, deitou-me de bruços e começou a massagear minhas costas com um óleo perfumado. A massagem era mais que uma tentação, suas mãos macias tocando meu corpo causava uma sensação estranha, eu a desejava, mas não podia deixar transparecer. Passeava os dedos por todo a minha pele, fazendo-me quase uma carícia, de relance a vi fechar os olhos e senti que ela estava com vontade de foder. Apesar do cheiro de tesão está no ar nada aconteceu naquele momento, acho que ficamos com receio das conseqüências. Acabei ficando para dormir, só tinha a cama dela de casal... Vestiu uma camisola curtinha e me deu outra para eu vestir. Nos deitamos lado a lado, ela virou-se de costas e minutos depois ficamos em silêncio, pensei que ela estivesse dormindo e me debrucei sobre seu corpo para cobri-la melhor, estava um pouco frio. Foi quando a senti pegar minha mão e colocar sobre o próprio seio, numa carícia tímida. O sangue acelerou em minhas veias, eu não acreditava no que ela estava fazendo. Recuperada da surpresa, e ainda com minha mão em seu seio senti a excitação me invadir por inteiro. Comecei a acariciar o seio dela suavemente por cima da camisola de seda, senti seu mamilo enrijecer sob minhas carícias. Encostei meu corpo no dela, senti seu bumbum contra meu corpo, o calor dela se juntando ao meu. Comecei a beijar sua nuca, enquanto ela pegava minha mão e colocava por baixo da camisola, senti sua pele quente, o ventre bonito e delineado se arrepiarem ao meu toque. Ela roçava o bumbum em mim, me deixando louca de tesão. Virei-a para mim e deitei-me sobre ela, senti seus braços enlaçarem meu pescoço, os seus lábios colarem nos meus e a língua invadir minha boca, num beijo urgente, impregnado de tesão. Ela tirou minha camisola, me deixando só de calcinha. Tirei sua camisola e admirei os seios lindos, fartos e firmes, prontos para receber meus lábios e minha língua a sugá-los. Fui descendo pela sua barriga perfeita, acariciei seu umbigo, enfiava a língua e a ouvi gemer de prazer. Minhas mãos desceram para suas bem torneadas pernas e acariciei a parte interna das suas coxas, fazendo implorar que a tocasse mais profundamente. Avancei a mão e toquei sua buceta, fiquei louca de tesão. Estava toda depiladinha com poucos pelos a mostra, o clitóris saliente fazia um convite para ser sugado, pois latejava entre meus dedos. Passei a língua no seu ventre, percebendo o quanto ela estava excitada, pronta para ser explorada. Suavemente fui lambendo ao redor do seu sexo, deixando à mostra uma perfeição da natureza, que buceta! A mais linda que já tinha visto, perfeita. No primeiro momento pareceu que ficou com vergonha do meu olhar insistente, fechou as pernas com força. Levantei a cabeça e olhei para seus olhos, vi a agonia e o tesão que emanava deles. A boca entreaberta arfava como se lhe faltasse o ar. - Abra as pernas querida. Disse para ela, que estremeceu antecipando o prazer e rebolando convidativamente os quadris deu a buceta todinha pra mim. Comecei a passar a língua em sua virilha, sentindo o cheiro bom que o sexo dela exalava. Senti suas mãos pressionarem minha cabeça sobre seu púbis depiladinho, beijei sua xota como se beijasse uma boca e comecei a mamar seu grelo, como se fosse uma língua, que de tão inchado brilhava Ela rebolava sob minhas linguadas, soltando gemidos como se sentisse dor, mas sempre querendo mais.Chupei sua buceta com intenção de comê-la literalmente, dando chupões e tapinhas de leve no grelo. – Ela pedia: - mama no meu grelo mama safadinha. Quando sentir que ela estava quase gozando, Voltei subindo, lambendo sua barriguinha, chupando seus mamilos maduros e durinhos, beijando-lhe o pescoço, sentindo-a arquear os quadris e colocar as mãos no meu bumbum, puxando-me para ela. Já completamente nuas, nossos sexos se roçavam e ela sussurrava em meu ouvido, gemia pedindo para que eu roçasse nossas xanas totalmente meladas. Deitei-a de barriga pra cima na cama abri-lhe as pernas e encaxei meu grelo na sua racha quente, fazendo-a arquear os quadris a procura de prazer. Fui batendo com força, minha buceta na dela, aumentando os movimentos e em seguida roçando devagar, com tesão, mexendo sensualmente os quadris, sentindo nossos sucos escorrer pela pernas, nos olhávamos cheias de desejos sentindo o gozo chegando. Senti seu corpo estremecer e esfreguei com força meu grelo no dela até gozarmos, gritamos muito na hora do prazer, foi um gozo ardente e forte... Ficamos um tempão acalmando nossas xaninhas que tremiam de puro prazer, meladinhas e saciadas. Mais tarde tomando banho juntas, a fiz gozar na minha boca, sentei-a na beira do vaso sanitário com a buceta toda exposta e sedenta da minha língua atrevida. A noite que passamos juntas foi maravilhosa. Voltei no dia seguinte para São Paulo. Nos encontramos depois mas ate hoje nada mais aconteceu.
Por Nina

publicado por paparazzi às 00:40
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De rodrigo pinto de prata a 2 de Janeiro de 2011 às 19:55
Huuuu fiquei com vontade de entrar na brincadeira


Comentar post

online
10 anos de Blogs do SAPO

CLICA AQUI!

.arquivos